12
mar

A arte do feijão gordo

— Rapaz, Thomas Mann publicou Os Buddenbrook aos vinte e seis anos. É um calhamaço de quase setecentas páginas! Como é possível?

— É, Joaquim, mas essas virtuoses não assim tão raras, veja Clarice Lispector, por exemplo, escreveu Perto do coração selvagem aos dezessete, é um trabalho fino, alta literatura, baseado no Joyce e se a memória não me trai no Retrato, com uma perspectiva muito similar. E tem mais, meu caro, Schopenhauer começa a escrever O mundo aos vinte e seis, publicando a obra quatro anos depois…

— E tem o Rimbaud… — diz Joaquim num tom agastado, se encolhendo.

— Oh, não, ele era um enfant terrible. Não se pode colocá-lo na mesma categoria de tais tipos, escreveu apenas uma época e depois não mais — emendou o Peixoto, num tom professoral, transparecendo alguma afetação.

— É, pelo que vejo, é melhor eu parar com tudo, até hoje escrevi ninharias…

— Ora Joaquim, deixe de pessimismo. Hobbes publicou o Leviatã com mais de sessenta… Saramago, então, produziu algo que prestasse com mais de cinquenta.

— Bah, queres me animar… Conheço-te.

— Nem por isso. Mas saiba que nenhum deles fazia um feijão gordo tão bom quanto o seu.

— Vejo que tu acalentas teus amigos apenas quando tens fome, puto.

— Não é o caso. O fato é que você fica aí tagarelando e eu aqui a definhando. Meta-se a cozinhar isso logo, homem!

Post relacionado

Abóbora Tampouco elas escampam à ganância e ao duvidoso senso estético dos dentistas. Pobre abóbora.
Bem vestida Bem vestida. Via.
Sapos? Duh! Via.
Não roube meu carro Para que não roubem meu carro, eu costumo usar trava de roda. Que tal? Via.

por  Nogueira  em  12/03/2011

Escreva um comentário

E-mail